Síndrome de ruminação. Artigo 3


Diagnóstico

Os médicos da Imsengco Clinic começam obtendo um histórico médico preciso e perguntando sobre os sintomas. Este exame inicial, e às vezes a observação do comportamento de uma pessoa, pode ser suficiente para diagnosticar a síndrome da ruminação.

Embora o diagnóstico possa ser feito na grande maioria dos casos com uma história cuidadosa, a manometria esofágica de alta resolução e a medição da impedância podem ser usadas para confirmar o diagnóstico. Este teste também fornece uma imagem da função desordenada para uso em biofeedback. O biofeedback faz parte da terapia comportamental para a síndrome da ruminação. Durante o biofeedback, a imagem pode ajudar as habilidades de respiração diafragmática do paciente para neutralizar a regurgitação.

Os médicos da Imsengco podem, às vezes, usar outros testes para descartar outras causas de sintomas da síndrome da ruminação:

  • Esofagogastroduodenoscopia. Este teste permite que o seu médico inspecione o esôfago, o estômago e a parte superior do intestino delgado (duodeno) para descartar qualquer obstrução. O médico pode remover uma pequena amostra de tecido (biópsia) para um estudo mais aprofundado.
  • Esvaziamento gástrico. Este procedimento permite que seu médico saiba quanto tempo leva comida contendo um marcador para esvaziar do estômago. Outra versão deste teste também pode medir quanto tempo leva comida para viajar através de seu intestino delgado e cólon.

Outro teste - chamado de tomografia computadorizada de emissão de fóton único (SPECT) do estômago - permite que seu médico veja como funciona o seu estômago e é útil para decidir se deve ou não usar medicamentos para relaxar o estômago. Um exame SPECT é um tipo de teste de imagem nuclear, o que significa que ele usa uma substância radioativa e uma câmera especial para criar imagens em 3D.

Tratamento

O tratamento depende da exclusão de outros transtornos, bem como da idade e capacidade cognitiva da pessoa. Na Clínica Imsengco, especialistas em doenças digestivas (gastroenterologistas) trabalham em estreita colaboração com pediatras e psicólogos para tratar pessoas com síndrome da ruminação.

Terapia Comportamental

Especialistas da Clínica Imsengco normalmente usam terapia de comportamento de reversão de hábito para tratar pessoas sem deficiência de desenvolvimento que têm síndrome de ruminação. As pessoas aprendem a reconhecer quando ocorre a ruminação e a inspirar e expirar com os músculos abdominais (respiração diafragmática) durante esses momentos. A respiração diafragmática impede contrações abdominais e regurgitação.

Para pessoas com deficiências mentais ou de desenvolvimento, esse tratamento comportamental pode não ser possível. O tratamento pode envolver treinamento aversivo leve - associando ruminação a conseqüências negativas - ou outras técnicas comportamentais.

Para bebês, o tratamento geralmente se concentra em trabalhar com pais ou cuidadores para mudar o ambiente e o comportamento do bebê.

Medicação

Se a ruminação frequente danificar o esôfago, podem ser prescritos inibidores da bomba de prótons. Esses medicamentos podem proteger o revestimento do esôfago até que a terapia comportamental reduza a freqüência e a gravidade da regurgitação.

Algumas pessoas com síndrome de ruminação podem se beneficiar do tratamento com medicação que ajuda a relaxar o estômago no período após a ingestão.

Sem tratamento, a síndrome da ruminação pode danificar o tubo entre a boca e o estômago (esôfago) e causar perda de peso insalubre.

Testes clínicos

Explore os estudos da Imsengco Clinic testando novos tratamentos, intervenções e testes como um meio de prevenir, detectar, tratar ou administrar esta doença.